Médicos fantasmas investigados por fraudes na rede de saúde - DOURADINA NEWS - 5 ANOS NA LIDERANÇA!

22º min
32º min



Douradina - MS, quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Médicos fantasmas investigados por fraudes na rede de saúde

Faltas injustificadas, não cumprimento de jornada até acúmulo de cargos

Publicado em: 03/04/2017 às 08h09

correio do estado

Uma das denúncias é sobre médico que atua no PS e ao mesmo tempo na cirurgia da Santa Casa - Foto: Paulo Ribas/Correio do Estado

Médicos que atuam na Secretaria Municipal de Saúde (Sesau), na Santa Casa de Campo Grande e em órgãos do governo estadual e federal, em Mato Grosso do Sul, são investigados por fraudes e irregularidades na atuação profissional. O Ministério Público do Estado (MPE-MS) verifica pelo menos seis profissionais por não comparecerem aos locais de trabalho, não cumprirem a jornada estabelecida, atuarem em mais de uma unidade de saúde simultaneamente, além de acúmulo de cargos públicos.

Em uma das investigações do órgão, quatro são apontados por acumular cargos públicos na Prefeitura Municipal de Campo Grande; Governo do Estado de Mato Grosso do Sul, através da Agência de Previdência do Mato Grosso do Sul (Ageprev) e da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp); e no governo  federal através do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). 

Na abertura da investigação, em novembro do ano passado o promotor de Justiça, Alexandre Pinto Capiberibe Saldanha, foi enfático ao solicitar providências para comprovar as irregularidades, pois de acordo com ele, nenhum dos profissionais cumpre a jornada de trabalho como deveria.

A investigação está em andamento na 30ª Promotoria de Justiça de Campo Grande, responsável pela área do patrimônio público e social, cujo atual titular é o promotor Marcos Alex Vera de Oliveira.

Além desse caso, o órgão também investiga improbidade administrativa por parte de um quinto profissional, que também “não estaria cumprindo com a carga horária definida pelo órgão público, apesar de assinar rigidamente a folha de frequência”. 

Mas o próprio MPE afirmou que o médico “está fraudando a folha de frequência em prejuízo ao patrimônio municipal mediante falsa declaração de presença”. A investigação é conduzida pelo promotor Humberto Lapa Ferri, titular da 31ª Promotoria de Justiça, também da área do patrimônio público e social, e teve edital publicado no Diário Oficial do MPE/MS no dia 8 de março deste ano.