Portaria de presídio é reestruturada para garantir mais segurança na Capital - DOURADINA NEWS - 5 ANOS NA LIDERANÇA!

22º min
32º min



Douradina - MS, sábado, 18 de novembro de 2017

Portaria de presídio é reestruturada para garantir mais segurança na Capital

Obra é executada por detentos do Centro de Triagem Anísio Lima

Publicado em: 04/04/2017 às 20h48

correiodoestado

Obra é feita pel detentosos - Jeremias Lima

Para aumentar a segurança no Centro de Triagem Anísio Lima, presídio masculino de regime fechado, portaria do local está sendo reestruturada, em Campo Grande. Obras também visam melhores condições de trabalho aos agentes penitenciários e atendimento de visitantes e advogados.

Diretor do presídio, Alírio Francisco do Carmo, informou que nova portaria terá espaço para acesso das viaturas de escolta da Polícia Militar, possibilitando que presos entrem no camburão dentro do presídio. Atualmente, os detentos precisam sair na rua para entrar nas viaturas.

Ainda segundo o diretor, haverá reforço na segurança do espaço entre a portaria e o corredor que dá acesso ao pavilhão, o que dificultará ingresso dos presos no local.

Segundo a Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen), na portaria também estão sendo construídos novos alojamentos masculino e feminino, para os agentes penitenciários que cumprem escala de plantão, e local terá sala de espera para advogados e pessoas que precisarem aguardar por atendimento, além de uma sala de armas.

“Estamos conquistando importantes avanços no Centro nos últimos tempos, como a construção de um espaço para a implantação de oficinas de trabalho, o que possibilitou o funcionamento de empresas dentro do presídio, garantindo ocupação produtiva e remunerada aos custodiados. Agora, a nova portaria, que era um anseio antigo da administração, possibilitará mais segurança e melhor desenvolvimento dos trabalhos”, disse o presidente da Agepen, Aud de Oliveira Chaves.

Obra é custeada com recursos da Central de Execução de Penas Alternativas (Cepa), oriundos de penas pecuniárias e a conclusão está prevista para ocorrer dentro de três meses.

Os trabalhos são realizados com mão de obra prisional, sob supervisão de agentes penitenciários. Pelo trabalho na obra, os reeducandos recebem remição de um dia na pena a cada três de serviços prestados.