Justiça estipula prazo para defesa, mas não bloqueia bens de ex-prefeito e outros 17 - DOURADINA NEWS - 5 ANOS NA LIDERANÇA!

22º min
32º min



Douradina - MS, quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Justiça estipula prazo para defesa, mas não bloqueia bens de ex-prefeito e outros 17

Suspeita é de que tenham desviado R$ 372 milhões

Publicado em: 04/09/2017 às 09h56

midiamax

O juiz David de Oliveira Gomes Filho determinou prazo de 15 dias para que a empresa Enerpav G.S.Ltda, o ex-prefeito Nelson Trad Filho (PTB) e outros 16 nomes apresentem defesa em ação que pede bloqueio de bens no valor de R$ 131 milhões por suposto esquema de desvio de verba pública através de contratos para tapa-buracos. Contudo, a solicitação de indisponibilidade será apreciada em outra fase, segundo o magistrado.

Conforme a inicial, a suspeita é de que entre 2010 e 2012 o grupo tenha desviado mais de R$ 372 milhões por meio do serviço de tapa-buracos. Somente a referida companhia conseguiu contratos com a Prefeitura que somam mais de R$ 10 milhões vigentes até janeiro de 2015.

Ao todo foram 30 contratos fechados com ‘seleto’ grupo de companhias que conseguiam vencer licitação porque, segundo o MPE-MS (Ministério Público Estadual), os editais eram feitos com base em critérios que somente as investigadas conseguiam atender. Veja o suposto esquema detalhado aqui.

Conforme apuração dos promotores de Justiça Adriano Lobo, Fernando Zaupa, Cristiane Mourão, Thalys Franklyn e Tiago Di Freire, todos os contratos foram fechados sob a gestão de Nelsinho e do então secretário de Infraestrutura, Transporte e Habitação, João De Marco, sendo que os donos das empreiteiras tinham ligação com ambos.

No caso da Enerpav, segundo consta no processo, o proprietário Fagner Saltareli era pessoa de confiança de João Amorim, ex-cunhado de Nelsinho e dono da Proteco Construções.

 Além disso, a contratação da companhia para prestação do serviço de tapa-buracos nos bairros São Francisco, Monte Carlo, Vila Célia e Vila Brasil, não foi precedida da elaboração de qualquer projeto contendo informações acerca do detalhamento do serviço a ser prestado.

Também são denunciados: Bertholdo Figueiró Filho, Elias Lina da Silva, Emerson Arlex Saltarelli, Fagner Saltareli, Fátima Rosa Cota Moral de Oliveira, Ivane Vanzella, João Parron Maria, Juan Charles Araújo Ortiz, Michel Issa Filho, Neli Hatsuco Oshiro, Paulo Roberto Álvares Ferreira, Semy Alvez Ferraz, Sylvio Darilson Cesco, Usimix Ltda. e Valtemir Alves de Brito.