Incêndio no Parque Estadual já atinge 20 mil hectares de área - DOURADINA NEWS - 5 ANOS NA LIDERANÇA!

22º min
32º min



Douradina - MS, sábado, 18 de novembro de 2017

Incêndio no Parque Estadual já atinge 20 mil hectares de área

Equipes do Corpo de Bombeiros e Imasul trabalham para conter focos

Publicado em: 17/10/2017 às 15h11

correio do estado

Parque estadual possui área total de 73,3 mil hectares - Foto: Ascom Corpo de Bombeiros

O incêndio iniciado na última segunda-feira (16), no Parque Estadual das Várzeas do Rio Ivinhema, localizado na região sul do Estado já atingiu 20 mil hectares, de uma área total estimada em 73,3 mil. A informação foi concedida pela coordenação da equipe do Corpo de Bombeiros, responsável pelo atendimento e controle das chamas.

Segundo o oficial responsável, Major Leonardo Congro, nove bombeiros e três servidores do Imasul - Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul estão no local, que é uma das principais unidades de conservação da região. “A equipe está trabalhando durante todo o dia e os focos estão menores, porém, mais esparsos o que dificulta o controle em razão do vento e alta temperatura”, explica.

O coordenador confirmou que o incêndio foi iniciado em decorrência de um raio e que a área do parque localizada nas proximidades de Taquarussu está sob controle. “Nossa preocupação agora é combater os focos existentes no perímetro de Jateí, mas estamos otimistas com a previsão meteorológica que confirmou chuva até quinta-feira”, conclui.

O PARQUE

De acordo com o Governo do Estado, o Parque Estadual das Várzeas do Rio Ivinhema tem 73.345,15 hectares localizados na Bacia do Rio Paraná, abrangendo os municípios de Jateí, Naviraí e Taquarussu.

Ele foi criado em 1998, foi à primeira Unidade de Conservação do Estado assim constituída. Sua criação foi motivada pela medida compensatória da Usina Hidrelétrica Eng. Sérgio Motta, em dezembro de 1998.

Entre os objetivos da unidade estão conservar os fragmentos de florestas, os remanescente de várzea e ecossistemas associados dos rios Ivinhema e Paraná, manter mecanismos de regulação natural das bacias hidrográficas locais e promover a preservação da diversidade genética das espécies que habitam o Parque, principalmente aquelas ameaçadas de extinção.