MS recebe R$ 20 milhões para campanhas de prevenção e cirurgias eletivas - DOURADINA NEWS - 5 ANOS NA LIDERANÇA!

22º min
32º min



Douradina - MS, sábado, 23 de junho de 2018

MS recebe R$ 20 milhões para campanhas de prevenção e cirurgias eletivas

Estado terá mais R$ 25 milhões para investimentos em aparelhos

Publicado em: 02/01/2018 às 10h47

correio do estado

Pacientes em hospital da Capital. - Foto: Valdenir Rezende

Mato Grosso do Sul inicia o ano com aporte de R$ 20 milhões destinados à Secretaria Estadual de Saúde (SES). Conforme publicado no Diário Oficial do Estado desta terça-feira, os recursos, frutos de convênio firmado com o Ministério da Saúde, serão liberados ainda nesta semana, para investimentos em campanhas de prevenção, redução da fila das cirurgias eletivas e melhorias no serviço público de unidades em diversos municípios. Até o final do mês, devem ser repassados mais R$ 25 milhões para aquisição de aparelhos.

De acordo com Carlos Coimbra, secretário estadual de Saúde, haverá estudo para avaliar as principais necessidades do setor. “Vamos planejar como será o uso destes R$ 20 milhões, com contrapartida do Estado”, disse.

Cidades como Coxim, Dourados, Ponta Porã, Bataguassu e Corumbá, além de Campo Grande, devem ser beneficiadas. “Em Coxim, por exemplo, podemos aplicar no setor de hemodiálise, em leitos de UTI [Unidade de Terapia Intensiva] e em uma série de outras ações, mas tudo será feito de forma cuidadosa, pois nossa demanda é grande”, pontuou.

No ano passado, a SES já havia recebido R$ 27 milhões para investimentos no Hospital Regional de Dourados, no Hemosul e reforma do oitavo andar do Hospital Regional da Capital. Tais valores foram aplicados também no custeio de cirurgias oftalmológicas e ortopédicas.

Nas próximas semanas, Coimbra e o governador Reinaldo Azambuja devem retornar à Brasília (DF) para conversa com o ministro da saúde, Ricardo Barros. “Falta finalizarmos o acordo para o recebimento de mais R$ 25 milhões. Este valor será destinamento para a aquisição de aparelhos hospitalares”.