Polícia descobre plano de presos para executar diretor de presídio de Dourados - DOURADINA NEWS - 5 ANOS NA LIDERANÇA!

22º min
32º min



Douradina - MS, quarta-feira, 25 de abril de 2018

Polícia descobre plano de presos para executar diretor de presídio de Dourados

Assassinato de adjunto da PED foi decidido por lideranças de facções

Publicado em: 12/04/2018 às 18h48

correiodoestado

Polícia Civil vai investigar plano - TV RIT Dourados

O Núcleo de Inteligência da Polícia Civil descobriu um plano de detentos da Penitenciária Estadual de Dourados (PED) para assinar o agente penitenciário Antônio José dos Santos, 51 anos, atualmente o diretor-adjunto do presídio.

O caso foi registrado pela direção da PED no início da manhã desta quinta-feira (12), na Policia Civil de Dourados. A Agencia Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen) teria recebido as informações sobre o plano de execução do delegado do Núcleo de Inteligência de Dourados. A ordem do assassinato teria sido decretada pelas lideranças internas.

“É para matar o agente Santos”. Esta é a ordem decretada por presos conforme denúncia registrada na polícia. Antônio Jose dos Santos também esteve na delegacia.

A Gerência de Inteligência do Sistema Penitenciário (GISP), em conjunto com outros órgãos de Inteligência da Segurança Pública, também está realizando as apurações devidas. A Agepen possui uma comissão permanente que atua para prevenir e intervir em situações de ameaças a agentes penitenciários e é formada por representantes de diversos setores do órgão e por membro do Sindicato dos Servidores da Administração Penitenciária (SINSAP).

Com capacidade para 800 presos atualmente a Penitenciária de Dourados vive numa clima permanente de tensão com mais de 2.500 internos. O clima está tenso desde a semana passada e nesta quarta-feira depois de uma revista nas celas foram apreendidas diversas armas artesanais e telefones celulares em poder dos presos.

André Santiago, presidente do SINSAP afirmou que os agentes penitenciários se sentem desassistidos, pois não há no momento nada que possa se feito. “Pelo menos uma notificação oficial teria que ser feita. Não só avisar o agente como foi o caso do Dos Santos em Dourados. Precisamos de um protocolo de providencias e uma comissão foi formada e estamos discutindo com o Governo do Estado e em breve teremos uma solução para problemas como este. O servidor precisa ser protegido, assim como a família dele”.