‘É muita burrice’: após polêmica, deputada cancela audiência sobre ‘escola sem partido’ - DOURADINA NEWS - 5 ANOS NA LIDERANÇA!

22º min
32º min



Douradina - MS, sexta-feira, 22 de junho de 2018

‘É muita burrice’: após polêmica, deputada cancela audiência sobre ‘escola sem partido’

Kemp chamou projeto de ‘excrescência’

Publicado em: 24/05/2018 às 07h45

midiamax

Durante a sessão desta quarta-feira (23) na Assembleia Legislativa, o deputado Pedro Kemp (PT), não poupou críticas ao projeto ‘Escola sem Partido’, que seria debatido em audiência na tarde de hoje, mas que foi cancelado a pedido da deputada Mara Caseiro (PSDB).

“É um projeto ultrapassado e retrogrado. É uma excrescência um projeto desses”, disparou Kemp. Para o petista, a proposta é fundamentada em um grupo de ‘meia dúzia de pessoas’, que fazem parte de ‘um movimento extremamente conversador e reacionário’.

O parlamentar, que também é professor, alega que é papel da escola, mesmo em sala de aula, fomentar o debate, inclusive sobre temas como religião e sexualidade. O projeto, também conhecido como Lei da Mordaça, impede, segundo ele, o trabalho de docência.

 

Kemp ainda frisou que os defensores de tal proposta acreditam que o professor possa determinar, por exemplo, que um aluno passe a se vestir de mulher para se tornar um travesti. “Isso é uma burrice. Uma burrice sem tamanho. É por isso que os professores se sentem ofendidos com o projeto”, disse o petista.

Outro ponto abordado pelo deputado é o fato que alguns dos defensores do projeto são contra novas constituições familiares, como casais homoafetivos que adotam filhos, ou crianças criadas por mães solteiras ou pelos avós.

“Essas pessoas querem que esse menino (filho de um casal gay, por exemplo) seja considerado um ET na sala de aula, porque os professores não vão nem poder falar (sobre novas construções familiares)”, destacou Pedro Kemp.

O presidente da CCJR (Comissão de Constituição, Justiça e Redação), Barbosinha (DEM), disse que o projeto é inconstitucional, uma vez que fere a regra que estabelece que as diretrizes da educação básica são de competência exclusiva da União. Para o democrata, a proposta retira o debate da sala de aula e fere a democracia.

Maldade e ameaças

A deputada Mara Caseiro, que apresentou o projeto e a discussão em plenário, disse que o colega do PT estava sendo ‘maldoso’. “Não somos contra homossexualismo (sic). Queremos o respeito. Queremos impedir que professores imponham suas ideologias”, alegou a tucana.

Mara anunciou que cancelou a audiência pública marcada para a tarde desta quarta-feira, pois afirmou que teria ouvido uma entrevista de um professor em uma rádio, na qual o servidor teria feito ameaças de protestos na Assembleia. Ela disse ainda que os professores só querem protestar e não ‘debater ideias’.