Mulher diz à polícia paraguaia que ossada encontrada é do marido desaparecido - DOURADINA NEWS - 5 ANOS NA LIDERANÇA!

22º min
32º min



Douradina - MS, sexta-feira, 19 de outubro de 2018

Mulher diz à polícia paraguaia que ossada encontrada é do marido desaparecido

Publicado em: 04/09/2018 às 09h11

douradosnews

As ossadas encontradas na manhã do dia 23 de agosto na cidade paraguaia de  Bella Vista Norte, na fronteira com Bela Vista, seriam de Abner Lopes Siqueira, Leandro Rosa Alves e André Fernandes de Souza. Conforme o Porã News, o relato é da esposa de uma das vitimas e ocorreu nesta segunda-feira (3/9).

Segundo ela informou, os três teriam saído juntos e desde então foram dados como desaparecidos.

O crime, segundo os investigadores da Divisão de Homicídios, poderia se tratar de um ajuste de contas entre facções rivais na disputa por rota do tráfico na fronteira, onde os três integrantes do PCC vingariam a execução de um amigo, ocorrida em 2017.

De acordo com a imprensa paraguaia, os três foram torturados antes da execução por rivais. Depois, tiveram os corpos enterrados. Há marcas de afundamento nos crânios e ossos quebrados.

Na época em que a ossada foi encontrada, os policiais apreenderam um documento de identificação em nome de José Raimundo Gomes Serra, 36, no bolso de umas das vítimas.

Ainda de acordo com o Porã News, Serra seria sócio de Sérgio Ramão Vargas Ramos, 38, conhecido como ‘Porcão’, responsável por uma das rotas usadas pelo PCC para trazer drogas do Paraguai ao Brasil por Bela Vista.

“Porcão” foi morto com pelo menos 80 tiros em 22 de fevereiro de 2017, após ser emboscado por aproximadamente 15 homens armados identificados como integrantes do Comando Vermelho na chácara onde morava, onde um segurança e seu filho foram baleados durante o ataque.

Na época dois suspeitos, de 29 e 17 anos, foram detidos pela polícia paraguaia e apontados como participantes do crime.

Ambos supostamente faziam contatos com fornecedores de cocaína não só para o Comando Vermelho que atua em Mato Grosso e outros pontos da região Centro-Oeste, mas também com facções rivais do PCC nas regiões Norte e Nordeste.

Investigação da polícia paraguaia apontam que o último registro oficial de Serra no país foi no mês de outubro do ano passado. A hipótese é de que teria ido vingar a morte do amigo e tentar retomar ao menos parte de seus negócios.