Exportações na indústia somam US$ 1,5 bilhão em cinco meses - DOURADINA NEWS - 5 ANOS NA LIDERANÇA!

22º min
32º min



Douradina - MS, terça-feira, 16 de julho de 2019

Exportações na indústia somam US$ 1,5 bilhão em cinco meses

Produtos tiveram alta de 6% com destaque para siderurgia

Publicado em: 19/06/2019 às 07h55

correio do estado

Em maio vendas externas totalizaram US$ 336,38 milhões - Foto: Arquivo Correio do Estado

A indústria de Mato Grosso do Sul totalizou US$ 1,5 bilhão em exportações, nos primeiros cinco meses de ano. O crescimento foi de 6% em relação ao mesmo período do ano anterior, conforme informações divulgadas pelo Radar Industrial da Federação das Indústrias Mato Grosso do Sul (Fiems). 

Em maio, por exemplo, as vendas externas totalizaram US$ 336,38 milhões contra US$ 307,03 milhões de maio do ano passado, um incremento de 10%. O coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da federação, Ezequiel Resende, explica que o registro do volume exportado obteve aumento de 40%, na comparação mensal. 

“Em relação à participação relativa, no mês, a indústria respondeu por 74% de toda a receita de exportação de Mato Grosso do Sul e, no acumulado do ano, a participação está em 69%”, detalha.

No ano, conforme o economista, os grupos de maior destaque nas exportações de produtos industriais de Mato Grosso do Sul são: “Celulose e Papel”, “Complexo Frigorífico”, “Óleos Vegetais”, “Extrativo Mineral” e “Couros e Peles”. “Esses grupos, somados, representam 97,1% da receita total das vendas sul-mato-grossenses de industrializados ao exterior”, acrescenta.

GRUPOS EM ALTA

O grupo “Celulose e Papel” registrou nos primeiros cinco meses deste ano receita de US$ 909,62 milhões, um aumento de 21%, que foram obtidos quase que na totalidade com a venda da celulose (US$ 886,36 milhões), tendo como principais compradores China, com US$ 544,07 milhões, Estados Unidos, com US$ 119,32 milhões, Itália, com US$ 67,77 milhões, Holanda, com US$ 57,03 milhões, Reino Unido, com US$ 16,20 milhões, e Espanha, com US$ 14,28 milhões.

Já no grupo “Complexo Frigorífico” a receita conseguida de janeiro a maio foi de US$ 372,44 milhões, um aumento de 2% em relação ao mesmo período do ano passado, sendo que 45,1% do total alcançado é oriundo das carnes desossadas de bovinos congeladas, que totalizaram US$ 168,05 milhões.

Os principais compradores são: Hong Kong, com US$ 67,45 milhões, Chile, com US$ 52,99 milhões, Emirados Árabes Unidos, com US$ 39,56 milhões, Irã, com US$ 29,03 milhões, Arábia Saudita, com US$ 21,24 milhões, China, com US$ 20,91 milhões, Egito, com US$ 16,96 milhões, e Japão, com US$ 12,98 milhões.

O grupo “Siderurgia e Metalurgia Básica” teve receita de US$ 12,35 milhões no período de janeiro a maio, um aumento de 120%, tendo como principal produto o ferro fundido bruto não ligado.

Os principais países compradores são México, com US$ 9,54 milhões, o Paraguai, como US$ 1,19 milhão, a Argentina, com US$ 783,92 mil, e a Bolívia, com US$ 695,35 mil.

*Com informações da Ascom Fiems