Usuários reclamam por tempo mínimo e dizem não notar melhorias em novo parquímetro - DOURADINA NEWS - 5 ANOS NA LIDERANÇA!

22º min
32º min



Douradina - MS, quinta-feira, 13 de agosto de 2020

Usuários reclamam por tempo mínimo e dizem não notar melhorias em novo parquímetro

Publicado em: 18/03/2016 às 15h03

dourados news

O novo sistema de parquímetro – estacionamento rotativo pago - coordenado pela EPX Parking começou a funcionar na segunda-feira (14) e em primeiro momento parece não agradar aos usuários, não só pela questão tecnológica, divulgada a exaustão pela atual empresa, mas também pelos valores pagos e não utilizados.

O Dourados News esteve na área central da cidade na manhã de quinta-feira e ouviu algumas pessoas que reclamaram sobre vários pontos do serviço. Para se ter uma ideia, a cobrança é feita a cada 30 minutos e custa R$ 1.

Exemplificando, se o usuário precisar estacionar em três locais diferentes e demarcados e, em cada um deles ficar por 10 minutos, pagará R$ 3, mesmo num tempo determinado em R$ 1, ou seja, o triplo do que o investimento 'oficial'.

Reclamação

Para Alan de Castro, 22, o serviço não é prático como divulgado e torna necessário procurar as atendentes que nem sempre conseguem estar por perto. Ele cita que pensou que haveria uma forma de comprar vagas com antecedência, porém, não é possível segundo o mesmo.

"Temos que ficar correndo atrás das atendentes, antes não, tinha o boton já com crédito. Outra coisa que nem baixei pois, não vi muita vantagem é o aplicativo, não da para comprar com antecedência, então não muda muita coisa", explica.

O comerciante João Carlos de Souza,34, critica o ponto que se refere ao pagamento. Ele cita que suas visitas ao centro são rápidas e que precisa colocar no mínimo 30 minutos de crédito e se sente lesado já que não costuma usar todo o tempo comprado.

"Penso que não é certo ter tempo mínimo eu mesmo pago e acabo por usar por 15 minutos apenas, já que resolvo coisas rápidas aqui. Isso tem que ser revisto, penso", comentou.

 
Monitoras estão no centro para auxiliar com o serviço Para a dona de casa, Maria Lidia Gonçalves, 34, o ponto negativo também é quanto ao pagamento. Ela cita não concordar com o tempo mínimo e afirma não ter notado melhoria na estrutura bem como o aumento de vagas.

"Não tem que colocar tempo mínimo, nem todo mundo usa 30 minutos, acontece de usar menos como eu muitas vezes. Outra coisa é que não ampliaram pelo que vi continua ‘apertado’ para achar vaga aqui, não vi mudanças como pintura dos locais e placas", conta.

Outro ponto que será modificado pelo sistema em breve é a cobrança para o estacionamento de motos, fato que já tem gerado reclamações. Para o motoboy Anderson Cabral, 34, essa condição dificultará seu trabalho já que ele realiza várias pausas em diferentes pontos do centro. Ele também reclama sobre o fato de não ter observado melhorias no serviço e quanto aos valores.

"Eu não sei como vai ser, se eu tiver que pagar em cada local que para, como vou em vários pontos entregar marmita, vai complicar. Se cobrar para as motos mas, oferecer melhorias, mais vagas é justo, mas, não é o que estamos vendo e ainda tem essa questão de tempo mínimo que não concordo", comentou.

O sistema opera atualmente com valor a cada 30 minutos, ou seja, para estacionar, o usuário deve pagar R$ 1, mesmo que fique poucos minutos na vaga. Caso o tempo extrapole os 30 minutos, mais R$ 1 é cobrado.

De acordo com a empresa, inicialmente as 1.219 vagas para carros no centro seriam operadas e posteriormente, conforme previsto em edital, o sistema será ampliado para 2.219 vagas.