Onda de calor e ausência de chuva no mês de abril em MS causam preocupação em áreas urbana e rural - DOURADINA NEWS - 5 ANOS NA LIDERANÇA!

22º min
32º min



Douradina - MS, quinta-feira, 25 de abril de 2019

Onda de calor e ausência de chuva no mês de abril em MS causam preocupação em áreas urbana e rural

Publicado em: 11/04/2016 às 16h16

douradosagora

O Estado de Mato Grosso do Sul está passando por uma onda de calor há mais de uma semana - em algumas cidades o calor intenso já completou duas semanas. Onda de calor são dias quentes consecutivos com temperatura superior a 33ºC.

 

No Estado, pelo menos, 23 municípios registram onda de calor: Água Clara, Amamabai, Aquidauana, Bataguassu, Bela Vista, Campo Grande, Cassilândia, Costa Rica, Dourados, Itaquiraí, Ivinhema, Juti, Miranda, Nhumirim, Paranaíba, Ponta Porã, Porto Murtinho, Rio Brilhante, São Gabriel do oeste, Sete Quedas, Sidrolândia, Sonora e Três Lagoas. Até o momento, Três Lagoas é o município com o registro de temperatura mais alta: 38,3ºC, no dia 10 de abril (confira a tabela completa no fim desta notícia).

 

**Região da Grande Dourados **

A Embrapa Agropecuária Oeste possui duas estações meteorológicas na Região da Grande Dourados: uma em Dourados e outra em Rio Brilhante. Nos dados das estações, a média dos 11 dias deste mês de abril é de 28,2ºC. "Estamos bem acima da média de temperatura para o mês de abril, que é de 23,1ºC para a região. Mas ainda faltam 19 dias para fechar o mês", pondera Carlos Ricardo Fietz, pesquisador da Embrapa Agropecuária Oeste.

 

Associado ao calor, faz 16 dias que não chove na região - de 26 de março a 11 de abril. "Só houve um ano sem chuva em abril na região da Grande Dourados, que foi em 2009. A média mensal para abril é de 115mm. Mas é bom lembrar que o mês de abril ainda não terminou e, de acordo com a previsão do tempo do Ceptec/Inpe, está prevista chuva para o meio da semana. Vamos esperar", diz Fietz.

 

Já a sensação térmica desse período de onda de calor é de muita atenção, ficando entre 32,1 ºC e 41 ºC, com base no critério da NOAA's (National Weather Service Office dos Estados Unidos).

 

Milho safrinha

Nesta última safra da soja, 2015/16, a estiagem em outubro atrasou o plantio da soja e a chuva no período de desenvolvimento e da colheita da oleaginosa foi em excesso. Consequentemente, houve atraso no plantio do milho de outono-inverno.

 

O milho tolera variação de temperatura de 10ºC a 30ºC. No período de desenvolvimento do milho, da emergência à floração, o cereal precisa de temperaturas entre 24 ºC e 30ºC. Temperaturas elevadas, como têm sido registradas em Mato Grosso do Sul, especialmente nas áreas produtoras do cereal, diminuem o ciclo da planta e prejudicam a produção des grãos.

 

O milho é uma planta que exige bastante água. Segundos informações da Embrapa Milho e Sorgo, durante seu ciclo completo, a cultura consome cerca de 600 mm de água. Em regiões quentes e secas, chega a consumir até, no máximo, 2,5 mm/dia em seu período de crescimento. No período que vai da formação de espigas até a maturação dos grãos, o milho exige entre 5 a 10mm/dia.

 

"Nas condições atuais de temperatura e chuva, o milho já está sentindo a ausência de chuva e o excesso de calor. Ainda não está grave, porque choveu bastante em março. E no outono a evapotranspiração [evaporação do solo e transpiração da planta] não é tão intensa como em janeiro", explica o pesquisador da Embrapa Agropecuária Oeste.