Prefeitura de Douradina orienta população a evitar queimadas urbanas - DOURADINA NEWS - A NOTÍCIA COM CREDIBILIDADE!

22º min
32º min



Douradina - MS, quinta-feira, 16 de setembro de 2021

Prefeitura de Douradina orienta população a evitar queimadas urbanas

Publicado em: 26/09/2017 às 07h33


Setembro, período em que há uma considerável redução do volume de chuvas e consequentemente da umidade relativa do ar, o que resulta em diversas doenças respiratórias. Não bastasse o clima, este período também vem sendo marcado por constantes queimadas urbanas – prática proibida pela legislação municipal – e isso vem causando ainda mais transtornos para a população de Douradina, agravando ainda mais as doenças relacionadas ao tempo seco e ocasionando também graves prejuízos ao meio ambiente.

Na tentativa de acabar com esse problema, a Prefeitura de Douradina direciona uma orientação à população para que evitem a prática ilegal de forma amigável. Oferecendo semanalmente os serviços de coleta de lixo domiciliar e com cronograma de coleta de entulhos, o executivo municipal garante que não há a necessidade de os moradores utilizarem-se das queimadas para dar fim aos seus lixos e limpar seus quintais.

“O Município realiza as coletas de lixo domiciliar três vezes por semana e durante uma semana de cada mês a superintendência de serviços urbanos também recolhe galhos e entulhos. Dessa forma, não há a necessidade dos moradores se utilizarem da prática das queimadas, pois isso só gera grande transtorno com os vizinhos e traz prejuízos à saúde e ao meio ambiente”, disse o prefeito Jean Sérgio Clavisso Fogaça. “Estamos pedindo encarecidamente aos moradores que o tem feito, que não se utilizem do fogo para eliminar seus lixos e limpar seus quintais, pois Douradina é uma cidade pequena, onde todos se conhecem e devem se respeitar e por isso não é de nossa intenção ter que sair multando esses moradores, mas se essa prática continuar, isso precisará ser feito”, afirma o chefe de executivo.

Fechado no início do ano pela Prefeitura, o lixão a céu aberto na saída da cidade (sentido Panambi) está novamente sendo utilizado como ponto de descarte de sujeiras por parte de alguns moradores. O prefeito Jean e a secretária de Meio Ambiente, Lucilene Kerches, estiveram na manhã desta segunda-feira vistoriando o local, e na ocasião a secretária reforçou a colocação do prefeito em orientação à comunidade. “Não há nenhuma necessidade de descartar esse lixo a céu aberto e até mesmo queimá-lo. O Município presta este atendimento [de coleta], sendo preciso somente que os moradores se orientem às segundas, quartas e sextas para coloca-los em frente suas casas para que tomem o destino adequado”, pontuou Lucilene.

As penalidades referentes as queimadas de lixo acarretam à multa que vão de R$ 106,00 a R$ 802,00.

A superintendência de Serviços Urbanos informa que as coletas iniciaram nesta segunda-feira (25) as coletas referentes ao mês de setembro, que vão até o dia 29.

 

PREJUÍZOS DAS QUEIMADAS

De acordo com o Centro para Controle de Doenças (CDC) a fumaça produzida pela queimada urbana produz substâncias químicas que penetram no solo e nas plantas, expondo as pessoas ao risco de adoecerem tanto pela a inalação, quanto pela ingestão de alimentos contaminados com: material particulado (pó da queimada urbana), monóxido de carbono, ácido clorídrico, ácido cianídrico, benzeno (causador de pedra nos rins), estireno, formaldeído, arsênio, benzopireno, dioxina, furano, hidrocarbonetos policíclicos e metais pesados.

Outro dado relevante é apontado por uma pesquisa realizada pelo CDC, em que as chances de uma pessoa ficar doente são dependentes de dois fatores: o primeiro, a quantidade de fumaça. Sendo que a queima de 1kg de folhas, ou galhos, ou lixo, durante 10 minutos a uma temperatura de 200 a 400 graus Célsius é suficiente para desencadear sintomas respiratórios, e de pele, em adultos distantes a até 500 metros do foco da queimada.

O segundo fator apontado é a forma de absorção, pois pode ocorrer a inalação da fumaça (predominando doenças respiratórias), ou ingestão de alimentos contaminados pela fumaça (predominando doenças no fígado e nos rins).

Além desses fatores, os sintomas variam de intensidade nos adultos e nos idosos porque alguns são mais sensíveis que outros. Crianças são mais susceptíveis aos efeitos das queimadas urbanas (desenvolvimento imaturo do organismo quando comparado ao de um adulto).